Histórico - XVI SEMINÁRIO NACIONAL DE MILHO SAFRINHA

Ir para o conteúdo

Menu principal:

Histórico

O milho safrinha é hoje a principal modalidade de cultivo no Brasil, correspondendo a três quartos da área e da produção nacional. Segundo levantamento da Conab a produção nacional de grãos milho dobrou na última década, atingindo 100 milhões de toneladas em 2020.
A expansão do milho safrinha foi vertiginosa e já ocupa mais de 13 milhões de hectares.

Desenvolvimento do Milho Safrinha no Brasil

A evolução do milho safrinha em território nacional se deu de forma surpreendente. Teve início no Paraná, na década de 1980, com a colheita da resteva do milho verão e depois com a simples semeadura de sementes de paiol (F2 de híbridos), chegando a ocupar mais de 200 mil hectares. Os incrédulos argumentavam que a área não cresceria devido à baixíssima produtividade (menor de 2 t/ha) e o ao elevado risco de perdas.
A grande transformação aconteceu no início da década de 1990, no Paraná, São Paulo e Mato Grosso do Sul. O término do apoio estatal ao trigo e, consequentemente, de sua viabilidade em regiões de menor potencial produtivo, obrigou os agricultores a apostar no milho safrinha. A "febre" do milho safrinha motivou os agricultores de Goiás e Mato Grosso, que também passaram a cultivá-lo, pois faltavam culturas rentáveis em sucessão a soja. A cultura chegou ao Paraguai.
Na região paulista do Médio Paranapanema, através do Instituto Agronômico (IAC), CDVale e Cooperativas, realizou-se a primeira experimentação em rede para desenvolver tecnologias apropriadas para essa modalidade de cultivo, pelas particularidades ambientais e o sistema de produção muito diferentes do milho verão.
Desde 2006 até os dias atuais, tem ocorrido grande incremento de área, em média 703 mil hectares por ano, principalmente pela maior possibilidade de antecipação da semeadura, devido ao advento da ferrugem asiática da soja, e da melhoria dos preços pela exportação internacional de grãos.  Nos últimos cinco anos, a cultura se expandiu para regiões consideradas até então inaptas à modalidade, como o Pará, Santa Catarina, Campos Gerais do Paraná e Sul de Minas de Gerais.



 
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal